A temporada 2015/2016 está prestes a terminar e como sabemos os resultados desportivos não foram os desejados. A despromoção ao Campeonato de Portugal está confirmada mas nada apaga o esforço de uma equipa que viajou de norte a sul do país pelo propósito maior de honrar as cores do Oriental. 

Concluída a atual época, terão sido 53 jogos oficiais disputados num total de 11 751 km percorridos nas 26 deslocações entre Chaves e Olhão, passando pela Covilhã, Guimarães ou Viseu, sem contabilizar as duas idas aos Açores e à Madeira para os confrontos com o Santa Clara e o Nacional. 

 
 
 

Foram 11 751 km, leu bem, 11 751 km batidos pelas estradas nacionais desde a primeira partida disputada fora de portas a 08 de Agosto de 2015, data do aniversário da histórica fundação do Oriental, no Estádio Carlos Osório contra a Oliveirense. Uma distância que se torna mais objetiva se tivermos em conta que equivale a percorrer nada mais nada menos que 21 vezes o comprimento máximo de Portugal Continental entre Melgaço, em Viana do Castelo, ao Cabo de Santa Maria, em Faro. Se nos quisermos manter no caminho dos números, os 53 jogos oficiais corresponderam a 4770 minutos de acérrima disputa dentro das quatro linhas, quase 80 horas de futebol com que os Guerreiros de Marvila vão terminar a temporada que marca a despedida (ou o ‘até já’) do Oriental ao segundo maior escalão do desporto rei em terras lusas.

Na próxima temporada a realidade será distinta daquela que tivemos o privilégio de vivenciar desde o memorável jogo em Ferreiras a 24 de Abril de 2014 que confirmou a inédita ascensão aos campeonatos profissionais, porém a postura de garra e ambição dos homens de grená e branco será a mesma de sempre. A descida ao Campeonato de Portugal constitui mais um passo, embora mais inglório, na rota de um sonho que se mantém vivo e que nenhum orientalista cessará de alimentar, fazendo jus ao desígnio ao primeiro Presidente do Oriental, Rui de Seixas, em pleno ano de 1946. “O Oriental será, podem estar certos, um grande Clube. Para isso se fundou”.