Está visto que neste campeonato não há jogos fáceis e a 24.ª jornada traz consigo mais uma deslocação difícil para o Oriental desta feita ao reduto do Armacenenses. A formação de Armação de Pêra está a fazer uma temporada muito acima das expectativas encontrando-se num confortável 6.º lugar da tabela classificativa a 11 pontos da linha de água, registo claramente positivo para uma equipa com o objetivo da manutenção num escalão ao qual só chegou na época passada oriunda das distritais.

Historial distinto tem o Oriental, emblema com um passado de glória com muitas passagens pela 1.ª e 2.ª Divisões Nacionais mas que na presente temporada teve que assentar brasas e construir um plantel com o propósito fundamental de concretizar um campeonato tranquilo em termos pontuais. Tranquilamente e com uma grande dose de trabalho e empenho diários, os pupilos de António Pereira aceleraram a fundo para essa... tranquilidade e em meados de Dezembro a desejada manutenção já estava praticamente garantida. A partir desse momento e até ao presente os Guerreiros de Marvila têm competido pela honra de vestir esta camisola e a prestação alcançada, tanto em termos de resultados como em termos exibicionais, só pode deixar os orientalistas orgulhosos. A derrota exagerada e enganadora em Marvila com o líder Farense (0-3) na passada jornada não mancha a campanha global de bom nível do conjunto grená e branco e é certo que na viagem a Armação de Pêra o objetivo será, claro está, vencer.

Vencer... foi exatamente o que os três últimos adversários do Armacenenses não conseguiram fazer. O emblema azul e branco empatou os últimos dois encontros a zeros com Lusitano VRSA e Sp. Ideal, tendo antes disso batido o Estrela VN fora de portas por 1-2. A crescente solidez defensiva da equipa orientada por Ivo Soares é notória e justificada pelo facto de não ter sofrido golos em quatro dos últimos cinco encontros disputados mesmo com a rotatividade na posição de guarda-redes entre os guardiões João Azul e Bruno Costa, este último protagonista de uma grande exibição em Marvila no empate a uma bola (quem se lembra do golaço de calcanhar de Bura nesse encontro?).

Agressiva sem bola e veloz a pressionar alto ao jogar muitas vezes no erro da defensiva adversária, o esquema tático deste Armacenenses varia entre o 4x4x2 e o 4x2x3x1 consoante o adversário e até mesmo o momento particular de cada partida. No setor mais recuado as opções recaem quase sempre sobre os mesmos elementos: Ivan Silva, reforço de inverno ex-Almancilense, assumiu o posto de defesa direito assim que chegou e faz-se acompanhar de perto pelos centrais Yuran, gigante de 1,98m que fez a pré-época no Oriental, e o nigeriano Akoh, outro reforço chegado em Janeiro oriundo do Lusitano FCV e também de elevada estatura. Na esquerda o lugar é normalmente assumido pelo jovem cabo-verdiano de 20 anos Elvis e à frente da defesa o setor composto por dois médios de cariz mais defensivo ganha forma com Pedro Pedroso e Yan Musquera, atletas de 21 e 22 anos, respetivamente.

Na faixa esquerda do meio campo surge a única dor de cabeça para o técnico Ivo Soares: Bandarra, titular em todos os jogos da temporada e melhor marcador da equipa com oito golos, é ausência confirmada pela expulsão no último encontro com o Lusitano VRSA. Perante este percalço o timoneiro algarvio deverá optar por colocar Márcio Meira nessa posição e lançar Daniel Rodriguez, colombiano muito rápido e assertivo no capítulo do cruzamento, pela ala contrária. Na frente de ataque Nuno Moreira, autor de quatro golos esta temporada, e Yaggo Gomes, reforço de inverno que apontou sete golos na primeira metade da época ao serviço do Castrense e que também já se estreou a marcar com a camisola azul e branca, partem em vantagem perante a concorrência, pese embora que pelas suas características seja pouco provável que joguem os dois de início em simultâneo. Perante a superior dificuldade do jogo com o quarto classificado Oriental, o treinador Ivo Soares deverá optar por colocar nas costas de Nuno Moreira ou Yaggo Gomes um elemento com maior capacidade de efetuar a ligação ao meio campo e de dar uma superior contribuição nas tarefas defensivas. Caso esta teoria se confirme, o escolhido será em princípio Márcio Teles, embora o brasileiro Lucas corra por fora para este lugar de falso 10.

Em semelhança com o Oriental, esta equipa do Armacenenses prima pela juventude com sete dos seus habituais titulares a estarem situados no virtual escalão de sub-23. No conjunto grená e branco as parecenças são evidentes neste ponto e o valor já confirmado de jovens atletas com inúmeros jogos realizados como David Grilo, Gonçalo Tavares, Ivan Dias, Bura, Chico, Victor Veloso e Diogo David constata a existência de muito talento e margem de progressão em Marvila. São 23 os golos marcados por estes craques sub-23 do C.O.L. (apenas o guarda-redes David Grilo e Gonçalo Tavares ainda não fizeram balançar as redes) e a sua influência é potenciada em larga medida pela categoria de Sandro Luiz, Marco Bicho, Laurindo e Hugo Machado, jogadores com provas dadas no futebol nacional que tratam a bola por "tu".

É com esta mistura de juventude e experiência que o Oriental se desloca a Armação de Pêra em busca da 13.ª vitória da época para o campeonato. O relvado sintético de curtas dimensões é um fator que favorece a equipa da casa, mas nada pode condicionar a fome de triunfar dos pupilos de António Pereira. Este domingo, 11 de Março, é mais uma oportunidade de mostrarmos a raça que nos caracteriza e o mote está dado: Vamos com tudo, C.O.L.!

 Diogo Taborda