A 17.ª jornada do Campeonato de Portugal trouxe consigo uma não merecida desilusão para os Guerreiros de Marvila. Apesar da exibição sólida e da enorme capacidade de entrega demonstradas ao longo do encontro, os pupilos de António Pereira não conseguiram evitar a derrota com o Casa Pia pela margem mínima e a consequente queda do segundo para o quinto lugar da classificação. A palavra desistir não entra, contudo, no vocabulário do conjunto grená e branco e a 18.º ronda da competição disputada em casa contra o Estrela de Vendas Novas é encarada com o objetivo único de vencer. Do outro lado da barricada estará uma equipa aflita na luta pela manutenção com estatísticas das mais negativas da série mas com alguns indicadores positivos tais como as duas vitórias conquistadas nas sempre difíceis deslocações aos Açores. O que deve o Oriental esperar deste adversário?

Pois bem, o Estrela de Vendas Novas ocupa o 13.º lugar da classificação, com os mesmos 14 pontos do último classificado Sp. Ideal. A formação orientada por Paulo Mendes tem o pior ataque da série com apenas 14 golos marcados e a pior defesa a par com o Lusitano VRSA, tendo encaixado 33 golos nos 17 jogos disputados. Nos últimos cinco jogos o Estrela perdeu por quatro ocasiões e no último encontro foi derrotado pelo então lanterna vermelha Lusitano VRSA em Vendas Novas por 1-2, depois de ter estado a vencer até aos... 75 minutos. A derrota consumada ao cair do pano (89') poderá ter deixado marcas na formação alentejana que terá ainda ficado especialmente fragilizada no mercado de inverno pelas saídas dos habituais titulares Custódio e Embaló, médios que davam músculo e capacidade de choque ao setor intermédio.

Embora tenha perdido duas peças importantes do seu onze base, Paulo Mendes foi também apetrechado com quatro reforços que saltaram diretos para a titularidade. A defesa foi o setor mais reforçado com Sarpong, emprestado pelo Portimonense, a ocupar o lado esquerdo, ao lado dos centrais também recém-chegados Rodrigo Antunes (ex-Casa Pia) e Rauciele (ex-Atletas de Jesus, Brasil). A ala direita da defensiva é normalmente ocupada pelo jovem Rui Modesto que é baixa confirmada para o encontro com o Oriental já que foi expulso no último encontro. Para o seu lugar Paulo Lemos tem várias opções todas pouco rotinadas, já que Rui Modesto cumpriu 16 dos 17 jogos realizados no campeonato. 

Num sistema de 4x3x3 com contornos defensivos, o setor intermédio é composto pelos quase totalistas e veteranos Ricardo Ramos e Paulo Letras e pelo reforço de inverno Valdo no vértice mais adiantado, jogador experiente com uma breve passagem pelo Oriental na época 2009/10. Na frente de ataque Gonçalo Serrano progride pela direita e Canina, extremo veloz com faro de golo, pela esquerda, no apoio ao ponta-de-lança e melhor marcador Serginho (5 golos) que regressa após castigo cumprido no último jogo. À espreita por uma oportunidade estão também o japonês Takeshi Hosaki e o guineense Tigana Quibé, opções válidas para as faixas muito pela velocidade que podem imprimir no jogo. 

A habitual segurança defensiva do Oriental dá confiança aos orientalistas para esperarem um jogo seguro na retaguarda e com o volume ofensivo suficiente para fazer balançar as redes de uma equipa cuja estratégia passará seguramente por baixar as linhas e tentar se possível sair no contra-golpe à procura do golo. Será um jogo de paciência para os Guerreiros de Marvila onde se exige concentração máxima para anular as ameaças de um adversário matreiro pelas suas características e onde a obtenção dos três pontos poderá dar um estímulo adicional na luta pelos primeiros lugares da classificação à entrada de uma tripla jornada contra oponentes teoricamente mais acessíveis (depois do Estrela VN seguem-se Sp. Ideal e Lusitano VRSA).

O jogo está marcado para as 15h00 de domingo, 28 de Janeiro, no Campo Eng.º Carlos Salema e a presença em massa da família orientalista será decisiva. Vamos, C.O.L.!