É na sua melhor fase da temporada que o Oriental se desloca a Vila Real de Santo António este sábado, 30 de Setembro, para defrontar o Lusitano local. A formação de Marvila vem de três moralizadoras vitórias consecutivas, a última das quais para a Taça de Portugal arrancada a ferros na Marinha Grande numa verdadeira demonstração de garra, e o até ao momento o confortável 4.º lugar no campeonato permite aos Guerreiros de Marvila encararem o jogo com tranquilidade e a natural ambição de fazer cada vez mais e melhor. Do outro lado, o Lusitano VRSA atravessa a sua pior série na presente temporada: depois da vitória em Marvila para a Taça de Portugal por 2-1, a equipa de Carmine Esposito perdeu os três jogos seguintes com o registo preocupante de nove golos sofridos, aliado à eliminação da Taça de Portugal e ao atual 14.º posto da tabela classificativa da Série E do Campeonato de Portugal.

Como um mal nunca vem só, as contrariedades para o técnico da formação algarvia não ficam por aqui. Carmine Esposito não poderá contar com o avançado Andriuoli (3 jogos, 2 golos) e o extremo Ronal Abadia (3 jogos), expulsos na derrota por 2-0 ao pés do Torcatense na 2.ª eliminatória da Taça de Portugal, e ainda o central titular Nuno Silva (4 jogos), que viu o vermelho direto no último jogo do campeonato com o Olhanense. Uma consequência direta da agressividade, muitas vezes excessiva, da formação algarvia, demonstrada em grande escala e passada impune no jogo com o Oriental em Marvila mas que aparece justificada nos expressivos números de 16 amarelos e cinco vermelhos em apenas seis jogos oficiais nesta temporada. Um aspeto a reter pelos comandados de António Pereira, que deverão manter os níveis de concentração no máximo de forma a não se deixarem desestabilizar por aspetos que vão para além do futebol jogado.

De entre o lote de disponíveis do Lusitano VRSA, o primeiro destaque vai para José Pedro, jovem avançado de 19 anos que já leva quatro golos apontados, dois dos quais frente ao Oriental, e que será certamente titular face à ausência por castigo de Andruoli. Outro dos pontos fortes da equipa algarvia é a ala esquerda composta por Lucas Leite na retaguarda do extremo e capitão de equipa Luís Firmino, numa dupla que dá velocidade e profundidade em especial ao jogo ofensivo de um Lusitano que alinha habitualmente no esquema 4x3x3. No sentido inverso, o calcanhar de Aquiles do adversário do C.O.L. será a ausência do experiente central Nuno Silva, sendo que para o seu lugar deverá entrar o jovem marroquino de 21 anos e pouco rotinado Arnold Ajdini.

Esta será a segunda longa deslocação do Oriental no espaço de uma semana, algo a fazer lembrar os tempos da II Liga. A formação de António Pereira tem os índices ânimos em alta pelas três vitórias consecutivas e o facto de Laurindo e Gonçalo Tavares serem opções para o jogo (apesar de terem sido expulsos na última partida só cumprem castigo no próximo jogo da Taça de Portugal) dá ainda mais força a um conjunto grená e branco que tem no pé quente de Victor Veloso a sua maior arma. O avançado brasileiro já leva quatro golos nesta temporada e é uma autêntica seta apontada às balizas adversárias, sendo que a união de aço dos Guerreiros de Marvila dá esperança aos orientalistas para a temporada que ainda atravessa o seu período inicial. O sonho de novas conquistas só pode perdurar com o apoio constante nas bancadas que se constitui como um incentivo extra para os nossos jogadores, tal como aconteceu na Marinha Grande. A ambição de ver o Oriental crescer é comum entre todos os orientalistas e só unidos poderemos chegar mais longe. Vamos, C.O.L.!